APLICAÇÃO DO METÓDO MIHA PARA AVALIAÇÃO DE RESERVAS RENOVÁVEIS DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS: ESTUDO DE CASO DA BACIA DO RIO ITABIRITO/MG

PAULO FERNANDO PEREIRA PESSOA, RINALDO AFRÂNIO FERNANDES, GISELE KIMURA, DORA ATMAN, LAILA GARCIA MAIA GONÇALVES, EDNILSON DA SILVA ROSA, ROGÉRIO SILVA LUCAS

Resumo


O MIHA (Método Integrado de Avaliação Hidrogeodinâmica - Pessoa et al. (no prelo)) tem sido desenvolvido e aplicado em estudos de quantificação de reservas renováveis de águas subterrâneas para bacias hidrográficas situadas no Quadrilátero Ferrífero, como a do rio Itabirito (e.g AGB, MYR, 2013), assim como para a bacia do rio São Francisco (e.g. ANA, 2015). O rio Itabirito, estudo de caso ora apresentado, situa-se no alto curso da bacia hidrográfica do rio das Velhas, sendo um dos seus principais afluentes. A sua bacia se enquadra no contexto geológico, geomorfológico, climático e hidrográfico do Quadrilátero Ferrífero, contribuindo para o abastecimento de água de parte da população da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). A aplicação do MIHA para o cálculo de reservas renováveis da bacia do rio Itabirito partiu de um estudo solicitado pela Agência de Bacia do Rio das Velhas, AGB Peixe Vivo (AGB-MYR, 2013), sendo um dos objetivos aferir as disponibilidades hídricas subterrâneas para atendimento de demandas crescentes de água levantadas pelo Subcomitê do Rio Itabirito (SCBH Rio Itabirito) e consolidadas no Projeto “Conhecendo o Rio Itabirito”.

Esta metodologia utiliza a análise dos hidrogramas para separação dos escoamentos superficial e subterrâneo, estabelecendo-se, assim, uma relação direta entre recarga média subterrânea e fluxo de base médio em bacias representativas, e sua ponderação em função da distribuição espacial e da porosidade efetiva das unidades hidrogeológicas. Isto se reflete em um zoneamento de tipologias hidrogeológicas com menor ou maior capacidade de transmissão de água do aquífero para o curso d’água e, assim, na avaliação ponderada das ofertas hídricas subterrâneas.

O método MIHA tem permitido identificar aspectos importantes, tais como relações de ganhos ou perdas de água entre bacias hidrográficas contíguas, bem como estabelecer a contribuição relativa de cada unidade hidrogeológica para o fluxo de base de uma determinada seção.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/ras.v0i0.29425

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


 
A RAS teve que passar por uma
reestruturação do seu banco de dados,
caso seu LOGIN e SENHA NÃO MAIS FUNCIONEM,
por favor, CADASTRE-SE NOVAMENTE.
Desculpe pelo transtorno.
_____________________________________________________________________

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, São Paulo, Brasil
e-ISSN 2179-9784 (eletrônico)

É de LIVRE acesso a todos os interessados, gratuitamente.

 

A revista Águas Subterrâneas é uma publicação da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - ABAS - para divulgação de artigos científicos (originais e inéditos) sobre Hidrogeologia e outros temas pertinentes.

Os artigos aceitos e finalizados são publicados de forma contínua  organizados sob a numeração de um Volume anual subdividido em vários Números com até 10 artigos cada um.
 
A Revista Águas Subterrâneas é um periódico com classificação QUALIS Nacional e Internacional.
 
A Revista Águas Subterrâneas não cobra dos autores quaisquer taxas para submissão ou publicação.

DISCLAIMER: Os Suplementos de Anais (congressos e encontros técnicos) aqui presentes são publicados na Revista Águas Subterrâneas exclusivamente por um ato de gentileza dos editores. De forma semelhante, os Estudos de Caso e Notas Técnicas são publicados com a intenção de prover um espaço para divulgação de dados e estudos de interesse local, sem obrigação de ter uma contribuiçao científica. Seus artigos NÃO PODEM e NÃO DEVEM ser considerados como publicações deste periódico. NÃO foram submetidos a revisão pelos avaliadores da revista. NÃO são contemplados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O objetivo é tão somente o de ampliar a divulgação destes anais, estudos de caso e notas técnicas. Além disso, nestes documentos não é necessária e não será apresentada a numeração sequencial de páginas, como é feito para os artigos científicos. Os anais de eventos devem ser citados como tal, sem referência a este periódico. A Revista Águas Subterrâneas não se responsabiliza pelo conteúdo publicado nessas seções. 

Todos aqueles que se cadastram na Revista Águas Subterrâneas tornam-se filiados da ABAS gratuitamente, podendo usufruir de descontos em eventos e material técnico. Por extensão, tornam-se também associados do Capítulo Brasileiro da Associação Internacional de Hidrogeólogos*, podendo também usufruir de descontos em eventos internacionais da IAH e outras ofertas. O acesso à revista é livre e independente do cadastramento

*Clique aqui para saber maiores detalhes e limitações dos filiados.

Métricas

       

A Revista Águas Subterrâneas é filiada às seguintes Bases de Dados/Portais: 




 
Licença Creative Commons

Revista Águas Subterrâneas está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.