Avaliação da vulnerabilidade intrínseca a contaminação do aquífero cárstico Salitre no município de Cafarnaum, Bahia

Rodolfo Santos Gasser, Manoel Jerônimo Moreira Cruz, Manuel Vitor Portugal Gonçalves

Resumo


O aquífero cárstico Salitre situa-se na Bacia Carbonática de Irecê, na região centro-norte da Bahia, no contexto geológico da Formação Salitre. É constituído por espessas sequências de calcarenitos, calcilutitos, calcissiltitos e dolomíticos intercalados, por vezes, com sequências terrígenas subordinadas, constituídas por silexitos, arenitos, siltitos, laminitos e margas. O objetivo principal do estudo é avaliar a vulnerabilidade intrínseca natural à contaminação do aquífero cárstico Salitre, no município de Cafarnaum, para isso usou-se a metodologia COP. Os aquíferos cársticos são especialmente vulneráveis à contaminação devido a sua pouca profundidade, a alta velocidade do fluxo de água, a sua conexão direta com a superfície e a sua recarga através de formas de absorção abertas. Para a avaliação da vulnerabilidade natural do aquífero cárstico à contaminação através da metodologia COP, levam-se em consideração três parâmetros hidrogeológicos: concentração do fluxo, camadas sobrepostas e regime de precipitação. A análise do mapa de vulnerabilidade intrínseca a contaminação, permitiu a delimitação de 4 classes de vulnerabilidade na área: muito alta (12,5% - 70,20 km²), alta (0,7% - 4,0 km²), moderada (28,0%, 154,41 km²) e baixa (58,7%, 330,00 km²). A individualização das feições cársticas e de sua área de influência é o fator que teve um papel significativo para a delimitação da classe de vulnerabilidade muito alta.


Palavras-chave


Aquífero cárstico. Vulnerabilidade. Método COP.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/ras.v32i1.29090

_____________________________________________________________________

A revista Águas Subterrâneas é uma publicação da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - ABAS - para divulgação de artigos científicos (originais e inéditos) sobre Hidrogeologia e outros temas pertinentes. Os artigos aceitos e finalizados são publicados em forma contínua e organizados sob a numeração de um Volume anual subdividido em vários Números com até 10 artigos cada um. 

A Revista Águas Subterrâneas é um periódico com classificação QUALIS Nacional e Internacional.

A Revista Águas Subterrâneas não cobra dos autores quaisquer taxas para submissão ou publicação. 


DISCLAIMER: Os suplementos de anais (congressos e encontros técnicos) aqui presentes são publicados na Revista Águas Subterrâneas exclusivamente por um ato de gentileza dos editores. Seus artigos NÃO PODEM e NÃO DEVEM ser considerados como publicações deste periódico. NÃO foram submetidos a revisão pelos avaliadores da revista. NÃO são contemplados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O objetivo é tão somente o de ampliar a divulgação destes anais. Além disso, por serem anais de eventos, não é necessária e não será apresentada a numeração de páginas. Devem ser citados como anais de eventos somente, sem referência a este periódico.

 

 
É de LIVRE acesso a todos os interessados, gratuitamente.
 
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, São Paulo, Brasil
eISSN 2179-9784 (eletrônico)
ISSN 0101-7004 (impresso)

Filiada:
 

Licença Creative Commons
Revista Águas Subterrâneas está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.


Todos aqueles que se cadastram na Revista Águas Subterrâneas tornam-se filiados da ABAS gratuitamente, podendo usufruir de descontos em eventos e material técnico. Por extensão, tornam-se também associados do Capítulo Brasileiro da Associação Internacional de Hidrogeólogos*, podendo também usufruir de descontos em eventos internacionais da IAH e outras ofertas. O acesso à revista é livre e independente do cadastramento

*Clique aqui para saber maiores detalhes e limitações dos filiados.