ANÁLISE DA RECARGA E DA CONEXÃO HIDRÁULICA DO SISTEMA AQUÍFERO GRANULAR-FISSURAL NO CAMPUS PAMPULHA DA UFMG, BELO HORIZONTE, MG

João Pedro Marques Ribeiro

Resumo


Nesse estudo foram analisadas a recarga e a conexão hidráulica entre os aquíferos granular e fissural do sistema aquífero do campus Pampulha da UFMG, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Na área, o aquífero granular é livre, se sobrepõe ao fissural, e é constituído por aluviões, colúvios e solo residual, enquanto o aquífero fissural é livre a semiconfinado, representado por gnaisses, granitos e diques de diabásio do Complexo Belo Horizonte. A precipitação média é de 1.404,8 mm/ano incidente entre outubro e março. Duas etapas de trabalho foram executadas: a primeira envolveu o estudo da recarga aquífera e conexão hidráulica entre o meio granular e o meio fissural com dados de monitoramento manual, quinzenal, executado no projeto PROHBEN de 1997 a 2000, numa rede de poços profundos inativos (7) representantes do aquífero fissural e piezômetros (4) representantes do aquífero granular. Por meio de correlações estatísticas, foi estabelecida, a evidência de existência da conexão hidráulica, o grau de influência de fatores texturais do solo e pluviométricos sobre a recarga aquífera, bem como realizado o cálculo da recarga do aquífero granular. Os resultados nortearam a seleção de poços para o monitoramento automatizado e manual por 8,5 meses envolvendo completamente a estação chuvosa, de agosto/2012 a abril/2013, constituindo a segunda e mais importante etapa do estudo. Transdutores de pressão foram instalados em 3 piezômetros e 3 poços profundos inativos, com leituras  a cada 15 minutos, e o monitoramento manual foi realizado semanalmente em 2 poços profundos e em 1 piezômetro. A caracterização da conexão hidráulica foi realizada estimando-se o tempo de resposta do nível d’água de cada aquífero à precipitação e o tempo gasto entre a recarga direta do meio granular e a recarga indireta deste ao meio fissural. Para isso foram empregadas técnicas de análise de funções de correlação cruzada. Os resultados mostraram que, no aquífero granular, a recarga se efetivou espacialmente entre 45 a 70 dias e no aquífero fissural entre 59 a 69 dias. O tempo de resposta à recarga do aquífero fissural a partir do granular foi de menos de um dia, corroborando a elevada conexão hidráulica entre ambos aquíferos. A recarga do aquífero granular foi calculada segundo a técnica de variação espacial do nível d’agua natural, com resultados de 264 a 390 mm, significando 28 a 41% da precipitação. Dentre os fatores que poderiam influenciar na recarga o mais influente foi a precipitação e o fator menos influente foi a profundidade do nível d’água. A influência do uso e ocupação do solo foi evidenciada pelos menores percentuais de recarga 264 mm (28% de precipitação) e 279 mm (29% de precipitação), obtidos nos piezômetros localizados em área com predomínio de vegetação arbórea, enquanto o maior valor de 390 mm (41% de precipitação) em piezômetro localizado em área com ocupação predominantemente gramínea. As variações do NA dentro do aquífero fissural permitiram uma avaliação preliminar de que, da água de recarga do aquífero granular (775.000 m3), cerca de 14% chegaria ao aquífero fissural (109.200 m3).


Texto completo:

PDF


_____________________________________________________________________

A revista Águas Subterrâneas é uma publicação da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - ABAS - para divulgação de artigos científicos (originais e inéditos) sobre Hidrogeologia e outros temas pertinentes. Os artigos aceitos e finalizados são publicados em forma contínua e organizados sob a numeração de um Volume anual subdividido em vários Números com até 10 artigos cada um. 

A Revista Águas Subterrâneas é um periódico com classificação QUALIS Nacional e Internacional.

A Revista Águas Subterrâneas não cobra dos autores quaisquer taxas para submissão ou publicação. 


DISCLAIMER: Os Suplementos de Anais (congressos e encontros técnicos) aqui presentes são publicados na Revista Águas Subterrâneas exclusivamente por um ato de gentileza dos editores. De forma semelhante, os Estudos de Caso e Notas Técnicas são publicados com a intenção de prover um espaço para divulgação de dados e estudos de interesse local, sem obrigação de ter uma contribuiçao científica. Seus artigos NÃO PODEM e NÃO DEVEM ser considerados como publicações deste periódico. NÃO foram submetidos a revisão pelos avaliadores da revista. NÃO são contemplados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O objetivo é tão somente o de ampliar a divulgação destes anais, estudos de caso e notas técnicas. Além disso, nestes documentos não é necessária e não será apresentada a numeração sequencial de páginas, como é feito para os artigos científicos. Os anais de eventos devem ser citados como tal, sem referência a este periódico. A Revista Águas Subterrâneas não se responsabiliza pelo conteúdo publicado nessas seções. 

  

É de LIVRE acesso a todos os interessados, gratuitamente.
 

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, São Paulo, Brasil
eISSN 2179-9784 (eletrônico)
ISSN 0101-7004 (impresso)

Filiada:
 

Licença Creative Commons
Revista Águas Subterrâneas está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.


Todos aqueles que se cadastram na Revista Águas Subterrâneas tornam-se filiados da ABAS gratuitamente, podendo usufruir de descontos em eventos e material técnico. Por extensão, tornam-se também associados do Capítulo Brasileiro da Associação Internacional de Hidrogeólogos*, podendo também usufruir de descontos em eventos internacionais da IAH e outras ofertas. O acesso à revista é livre e independente do cadastramento

*Clique aqui para saber maiores detalhes e limitações dos filiados.