Avaliação da Presença de Cryptosporiium spp. e Giardia spp. em Águas Minerais Naturais de Nascentes e Enteroparasitoses em duas Comunidades Rurais de Campos do Jordão, SP, Brasil.

Nilson Branco

Resumo


A presença de espécies dos protozoários Cryptosporidium e de Giardia em água, principalmente as destinadas ao consumo humano, assumiu nos últimos 22 anos grande importância em Saúde Pública devido à veiculação hídrica de suas formas infectantes. Esses protozoários causam gastroenterites no ser humano e em diversas espécies animais. A transmissão desses protozoários ocorre pela via fecal-oral mediante a ingestão de água ou de alimentos contaminados, ou pelo contato direto (pessoa-a-pessoa ou animal-pessoa; transmissão zoonótica). A persistência de oocistos e cistos no ambiente e a grande resistência aos processos de desinfecção contribuem com a veiculação hídrica desses protozoários. Numerosos surtos de gastroenterite aconteceram nos últimos 25 anos devido à ingestão de água de consumo e involuntariamente águas recreacionais contaminadas. No Brasil é crescente a degradação de águas superficiais e subterrâneas devido à deficiência de infra-estrutura no sistema de esgotamento sanitário. Análises realizadas pela Sabesp sobre a qualidade microbiológica da água proveniente das fontes naturais da cidade de Campos do Jordão (nordeste do estado de São Paulo) revelam que 13, de um total de 22 fontes, apresentaram padrão de qualidade impróprio para o consumo humano. Considerando que a população local utiliza amplamente essa água para o consumo (ingestão e preparo de alimentos) e que a existência de situações que implicam em risco potencial de contaminação das mesmas são freqüentes no município, o objetivo deste trabalho foi investigar a ocorrrência de Cryptosporidium sp. e de Giardia sp. em amostras procedentes das principais fontes, durante 12 meses. Para tanto, utilizou-se a técnica de filtração em membranas para concentração e visualização dos protozoários aplicando anticorpos monoclonais fluorescentes. No período compreendido entre junho de 2003 e maio de 2004, foi possível detectar a presença de, pelo menos, um dos protozoários patogênicos em 25,0% (3/12) das fontes estudadas, com concentrações que variaram de 0,2 a 0,3 oocistos de Cryptosporidium sp. e 0,07 a 0,1 cistos de Giardia sp. por litro. O inquérito parasitógico realizado em duas comunidades rurais pertencentes ao vii município revelou que 49,2% (91/185) das pessoas apresentavam parasitoses intestinais. A faixa etária dos participantes variou de 0 a 72 anos. As prevalências dos protozoários patogênicos foram: Cryptosporidium sp. (8,1%), Giardia duodenalis (5,9%), Blastocystis hominis (4,9%) e Entamoeba histolytica/dispar (2,7%); e dos não patogênicos: Entamoeba coli (19,5%), Iodamoeba bütschlii (4,3%) e Endolimax nana (0,5%). E para os helmintos intestinais foram: Ascaris lumbricoides (14,9%); Trichuris. trichiura (9,7%); ancilostomideo (1,1%), Taenia sp. (1,1%), Enterobius vermicularis (1,1%) e larva de nematódeo (1,1%). As diferenças estatísticas não foram significantes para as parasitoses observadas quanto ao sexo (p=0,453) e as diferentes faixas etárias (p=0,213). As condições ambientais (relevo, disponibilidade hídrica, ocupação desordenada, áreas de pastagem) e focos de contaminação (esgoto sanitário; fezes de animais) existentes próximo às nascentes foram fatores que contribuíram com a contaminação das águas. A ausência de água tratada, de sistema de escoamento sanitário e as condições sócio-econômicas das comunidades rurais incluídas no inquérito parasitológico podem ter contribuído para a elevada prevalência das parasitoses intestinais. 


Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


 
A RAS teve que passar por uma
reestruturação do seu banco de dados,
caso seu LOGIN e SENHA NÃO MAIS FUNCIONEM,
por favor, CADASTRE-SE NOVAMENTE.
Desculpe pelo transtorno.
_____________________________________________________________________

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, São Paulo, Brasil
e-ISSN 2179-9784 (eletrônico)

É de LIVRE acesso a todos os interessados, gratuitamente.

 

A revista Águas Subterrâneas é uma publicação da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - ABAS - para divulgação de artigos científicos (originais e inéditos) sobre Hidrogeologia e outros temas pertinentes.

Os artigos aceitos e finalizados são publicados de forma contínua  organizados sob a numeração de um Volume anual subdividido em vários Números com até 10 artigos cada um.
 
A Revista Águas Subterrâneas é um periódico com classificação QUALIS Nacional e Internacional.
 
A Revista Águas Subterrâneas não cobra dos autores quaisquer taxas para submissão ou publicação.

DISCLAIMER: Os Suplementos de Anais (congressos e encontros técnicos) aqui presentes são publicados na Revista Águas Subterrâneas exclusivamente por um ato de gentileza dos editores. De forma semelhante, os Estudos de Caso e Notas Técnicas são publicados com a intenção de prover um espaço para divulgação de dados e estudos de interesse local, sem obrigação de ter uma contribuiçao científica. Seus artigos NÃO PODEM e NÃO DEVEM ser considerados como publicações deste periódico. NÃO foram submetidos a revisão pelos avaliadores da revista. NÃO são contemplados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O objetivo é tão somente o de ampliar a divulgação destes anais, estudos de caso e notas técnicas. Além disso, nestes documentos não é necessária e não será apresentada a numeração sequencial de páginas, como é feito para os artigos científicos. Os anais de eventos devem ser citados como tal, sem referência a este periódico. A Revista Águas Subterrâneas não se responsabiliza pelo conteúdo publicado nessas seções. 

Todos aqueles que se cadastram na Revista Águas Subterrâneas tornam-se filiados da ABAS gratuitamente, podendo usufruir de descontos em eventos e material técnico. Por extensão, tornam-se também associados do Capítulo Brasileiro da Associação Internacional de Hidrogeólogos*, podendo também usufruir de descontos em eventos internacionais da IAH e outras ofertas. O acesso à revista é livre e independente do cadastramento

*Clique aqui para saber maiores detalhes e limitações dos filiados.

Métricas

       

A Revista Águas Subterrâneas é filiada às seguintes Bases de Dados/Portais: 




 
Licença Creative Commons

Revista Águas Subterrâneas está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.