Análise geoquímica das águas subterrâneas de Fortaleza, Ceará – Brasil

Maria da Conceição Rabelo Gomes, Itabaraci Nazareno Cavalcante

Resumo


Essa pesquisa aborda uma análise geoquímica das águas subterrâneas de Fortaleza, Ceará - Brasil, mostrando a correlação entre os vários tipos químicos e litotipos da área. Foram utilizadas 291 amostras coletadas no período de 2001 a 2011 para análises físico-químicas. Há predominância de águas Cloretadas Sódicas, resultante da relação rNa> rMg> rCa e rCl>HCO3>rSO4. O pH das águas é predominantemente ácido, provavelmente associado ao meio geológico e a recarga pluviométrica. O nitrato cresce no sentido noroeste-norte, refletindo (provavelmente) o efeito das ações antrópicas ocasionados pela concentração populacional nos bairros João Arruda (setor noroeste) e Cristo Redentor (setor norte). Os teores de cloretos e STD aumentam pontualmente na porção norte (Bairros do Cristo Redentor e Pirambu), noroeste (Bairro Dionísio Torres) e ao sul (Bairros Passaré e Barroso), durante o período chuvoso, e sudoeste (Bairros Parangaba e Bom Jardim) durante a estiagem, podendo ser resultante de diversos fatores, sendo os mais prováveis a dissolução dos minerais e o processo de evaporação. No primeiro caso, a concentração por dissolução nas águas subterrâneas tende a atingir um equilíbrio com as rochas que estão em contato e, quanto mais lenta a circulação maior é o tempo de contato e, consequentemente, maior será o acréscimo na concentração total de sais na água do aquífero; o segundo processo é influenciado essencialmente pelas condições climáticas, podendo se verificar o aparecimento das maiores concentrações de sais nas regiões de climas quentes e secos. A partir das relações iônicas das águas subterrâneas, pode-se constatar a razão iônica rMg+2/rCa+2 com predominância de valores superiores a 1,258 meq/L (63%), indicando a associação de silicatos magnesianos presentes nos litotipos da área. A relação rK+/rNa+ apresentou valores entre 0,009 e 0,840 meq/L, resultante principalmente da fixação de K+ nos argilominerais. As águas de Fortaleza são predominantemente Cloretadas Sódicas, independente do período de amostragem.


Palavras-chave


Água subterrânea; hidrogeoquímica; Fortaleza; Nordeste

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/ras.v29i1.27917

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


 
A RAS teve que passar por uma
reestruturação do seu banco de dados,
caso seu LOGIN e SENHA NÃO MAIS FUNCIONEM,
por favor, CADASTRE-SE NOVAMENTE.
Desculpe pelo transtorno.
_____________________________________________________________________

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, São Paulo, Brasil
e-ISSN 2179-9784 (eletrônico)

É de LIVRE acesso a todos os interessados, gratuitamente.

 

A revista Águas Subterrâneas é uma publicação da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - ABAS - para divulgação de artigos científicos (originais e inéditos) sobre Hidrogeologia e outros temas pertinentes.

Os artigos aceitos e finalizados são publicados de forma contínua  organizados sob a numeração de um Volume anual subdividido em vários Números com até 10 artigos cada um.
 
A Revista Águas Subterrâneas é um periódico com classificação QUALIS Nacional e Internacional.
 
A Revista Águas Subterrâneas não cobra dos autores quaisquer taxas para submissão ou publicação.

DISCLAIMER: Os Suplementos de Anais (congressos e encontros técnicos) aqui presentes são publicados na Revista Águas Subterrâneas exclusivamente por um ato de gentileza dos editores. De forma semelhante, os Estudos de Caso e Notas Técnicas são publicados com a intenção de prover um espaço para divulgação de dados e estudos de interesse local, sem obrigação de ter uma contribuiçao científica. Seus artigos NÃO PODEM e NÃO DEVEM ser considerados como publicações deste periódico. NÃO foram submetidos a revisão pelos avaliadores da revista. NÃO são contemplados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O objetivo é tão somente o de ampliar a divulgação destes anais, estudos de caso e notas técnicas. Além disso, nestes documentos não é necessária e não será apresentada a numeração sequencial de páginas, como é feito para os artigos científicos. Os anais de eventos devem ser citados como tal, sem referência a este periódico. A Revista Águas Subterrâneas não se responsabiliza pelo conteúdo publicado nessas seções. 

Todos aqueles que se cadastram na Revista Águas Subterrâneas tornam-se filiados da ABAS gratuitamente, podendo usufruir de descontos em eventos e material técnico. Por extensão, tornam-se também associados do Capítulo Brasileiro da Associação Internacional de Hidrogeólogos*, podendo também usufruir de descontos em eventos internacionais da IAH e outras ofertas. O acesso à revista é livre e independente do cadastramento

*Clique aqui para saber maiores detalhes e limitações dos filiados.

Métricas

       

A Revista Águas Subterrâneas é filiada às seguintes Bases de Dados/Portais: 




 
Licença Creative Commons

Revista Águas Subterrâneas está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.