CASOS DE EXCEPCIONALIDADES HÍDRICAS SUBTERRÂNEAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Fernando Marinho de Oliveira, Jorge Sadala

Resumo


A exemplo de outras concessionárias de abastecimento público de água, a COPASA dá grande ênfase ao aproveitamento dos recursos hídricos subterrâneos, sendo que cerca de 60% dos seus sistemas contam com produção significativa de poços
tubulares profundos, havendo portanto grande demanda de estudos hidrogeológicos. O Estado de Minas Gerais apresenta enorme diversidade geológica, geomorfológica e climática. Geomorfologicamente, trabalha-se tanto em depressões regionais dissecadas quanto em altiplanos ou chapadões. Na geologia temos grande extensões de terrenos cristalinos Arqueanos, cinturões metamórficos ou faixas móveis do Proterozóico além de terrenos cársticos e sedimentares, tanto na cobertura cratônica ou mais recentes do Cretáceo ou do Terciário. Quanto ao clima trabalha-se desde regiões úmidas com pluviosidade anual superior a 1.500 mm e de temperaturas amenas, até o semi-árido de algumas regiões do norte mineiro e vale do Jequitinhonha, onde o ar é mais seco, as
temperaturas elevadas e a pluviosidade é da ordem de 800 mm/ ano. Nesta diversidade de contextos, em que se observa condicionantes hidrogeológicas bem distintas, foram selecionados três casos de localidades que não apresentavam indícios claros de bom potencial hidrogeológico, e onde foram obtidos resultados satisfatórios. Estas situações para muitos não representam novidades, mas nem sempre são tratadas com a devida atenção. No primeiro caso, na cidade de Pai Pedro (norte de minas ) e em região de contato do Complexo Porteirinha com rochas do Grupo Macaúbas, a ocorrência de água subterrânea não coincide com alinhamentos estruturais esculpidos nos níveis de base da hidrografia e sim com feições cársticas presentes nas cabeceiras de drenagens. Também na cidade de Pintópolis ( região norte mineira e na depressão
Sanfranciscana ), inserida na porção pouco metamorfizada dos sedimentos do Grupo Bambuí, a ocorrência de água subterrânea se dá em terrenos cársticos e preferencialmente em pontos mais elevados da topografia. E finalmente o distrito de Dolearina, município de Estrela do Sul (Triângulo mineiro), onde poços tubulares relativamente próximos e situados na região de transição do altiplano (denominado localmente de Chapadões ) para o relevo dissecado de granitos apresentam resultados completamente distintos, dependendo de se interceptar ou não camadas de arenito do grupo Bauru.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


 
A RAS teve que passar por uma
reestruturação do seu banco de dados,
caso seu LOGIN e SENHA NÃO MAIS FUNCIONEM,
por favor, CADASTRE-SE NOVAMENTE.
Desculpe pelo transtorno.
_____________________________________________________________________

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, São Paulo, Brasil
e-ISSN 2179-9784 (eletrônico)

É de LIVRE acesso a todos os interessados, gratuitamente.

 

A revista Águas Subterrâneas é uma publicação da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - ABAS - para divulgação de artigos científicos (originais e inéditos) sobre Hidrogeologia e outros temas pertinentes.

Os artigos aceitos e finalizados são publicados de forma contínua  organizados sob a numeração de um Volume anual subdividido em vários Números com até 10 artigos cada um.
 
A Revista Águas Subterrâneas é um periódico com classificação QUALIS Nacional e Internacional.
 
A Revista Águas Subterrâneas não cobra dos autores quaisquer taxas para submissão ou publicação.

DISCLAIMER: Os Suplementos de Anais (congressos e encontros técnicos) aqui presentes são publicados na Revista Águas Subterrâneas exclusivamente por um ato de gentileza dos editores. De forma semelhante, os Estudos de Caso e Notas Técnicas são publicados com a intenção de prover um espaço para divulgação de dados e estudos de interesse local, sem obrigação de ter uma contribuiçao científica. Seus artigos NÃO PODEM e NÃO DEVEM ser considerados como publicações deste periódico. NÃO foram submetidos a revisão pelos avaliadores da revista. NÃO são contemplados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O objetivo é tão somente o de ampliar a divulgação destes anais, estudos de caso e notas técnicas. Além disso, nestes documentos não é necessária e não será apresentada a numeração sequencial de páginas, como é feito para os artigos científicos. Os anais de eventos devem ser citados como tal, sem referência a este periódico. A Revista Águas Subterrâneas não se responsabiliza pelo conteúdo publicado nessas seções. 

Todos aqueles que se cadastram na Revista Águas Subterrâneas tornam-se filiados da ABAS gratuitamente, podendo usufruir de descontos em eventos e material técnico. Por extensão, tornam-se também associados do Capítulo Brasileiro da Associação Internacional de Hidrogeólogos*, podendo também usufruir de descontos em eventos internacionais da IAH e outras ofertas. O acesso à revista é livre e independente do cadastramento

*Clique aqui para saber maiores detalhes e limitações dos filiados.

Métricas

       

A Revista Águas Subterrâneas é filiada às seguintes Bases de Dados/Portais: 




 
Licença Creative Commons

Revista Águas Subterrâneas está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.