ANÁLISE DAS INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS SOBRE POÇOS TUBULARES PROFUNDOS E SEU USO NO DIAGNÓSTICO DA VARIAÇÃO TEMPORAL DO NÍVEL D´ÁGUA E DA PRODUTIVIDADE DOS AQÜÍFEROS DA BACIA DO RIO JUNDIAÍ (SP)

Mirna A. Neves, Norberto Morales, Sueli Yoshinaga Pereira, José Luiz Albuquerque Filho

Resumo


Os mananciais superficiais da bacia do rio Jundiaí já não são suficientes para suprir a
demanda por água. São revertidos 1,2 m3/s do rio Atibaia para o município de Jundiaí, agravando a
situação de disponibilidade hídrica na bacia do rio Piracicaba, já bastante solicitada pela reversão no
Sistema Cantareira. O uso intenso e a poluição dos recursos hídricos superficiais levam a uma
demanda cada vez maior por recursos hídricos subterrâneos. Como agravantes, há o
desconhecimento da situação de explotação atual, o grande número de poços sem outorga, além de
empresas clandestinas.
Estes temas motivaram a elaboração do trabalho. Os dados de poços tubulares profundos, apesar
dos problemas existentes, permitem delinear um panorama parcial da situação de explotação de
água subterrânea na bacia. Após o estudo da evolução na perfuração de poços, da situação dos
poços e do uso da água, apresenta-se uma análise da variação temporal da profundidade do nível
estático, do nível dinâmico, da vazão e da capacidade específica para três intervalos de tempo,
desde a primeira metade do século XX até o início do século XXI. Os resultados mostram aumento
da profundidade dos níveis estático e dinâmico e queda na produtividade dos poços ao longo do
período estudado.

Palavras-chave


bancos de dados; variação do nível d´água; bacia do rio Jundiaí

Texto completo:

PDF


_____________________________________________________________________

A revista Águas Subterrâneas é uma publicação da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - ABAS - para divulgação de artigos científicos (originais e inéditos) sobre Hidrogeologia e outros temas pertinentes. Os artigos aceitos e finalizados são publicados em forma contínua e organizados sob a numeração de um Volume anual subdividido em vários Números com até 10 artigos cada um. 

A Revista Águas Subterrâneas é um periódico com classificação QUALIS Nacional e Internacional.

A Revista Águas Subterrâneas não cobra dos autores quaisquer taxas para submissão ou publicação. 


DISCLAIMER: Os Suplementos de Anais (congressos e encontros técnicos) aqui presentes são publicados na Revista Águas Subterrâneas exclusivamente por um ato de gentileza dos editores. De forma semelhante, os Estudos de Caso e Notas Técnicas são publicados com a intenção de prover um espaço para divulgação de dados e estudos de interesse local, sem obrigação de ter uma contribuiçao científica. Seus artigos NÃO PODEM e NÃO DEVEM ser considerados como publicações deste periódico. NÃO foram submetidos a revisão pelos avaliadores da revista. NÃO são contemplados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O objetivo é tão somente o de ampliar a divulgação destes anais, estudos de caso e notas técnicas. Além disso, nestes documentos não é necessária e não será apresentada a numeração sequencial de páginas, como é feito para os artigos científicos. Os anais de eventos devem ser citados como tal, sem referência a este periódico. A Revista Águas Subterrâneas não se responsabiliza pelo conteúdo publicado nessas seções. 

  

É de LIVRE acesso a todos os interessados, gratuitamente.
 

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, São Paulo, Brasil
eISSN 2179-9784 (eletrônico)
ISSN 0101-7004 (impresso)

Filiada:
 

Licença Creative Commons
Revista Águas Subterrâneas está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.


Todos aqueles que se cadastram na Revista Águas Subterrâneas tornam-se filiados da ABAS gratuitamente, podendo usufruir de descontos em eventos e material técnico. Por extensão, tornam-se também associados do Capítulo Brasileiro da Associação Internacional de Hidrogeólogos*, podendo também usufruir de descontos em eventos internacionais da IAH e outras ofertas. O acesso à revista é livre e independente do cadastramento

*Clique aqui para saber maiores detalhes e limitações dos filiados.