A VERDADEIRA FACE DO “AQÜÍFERO GUARANI”: MITOS E FATOS

José Luiz Flores Machado

Resumo


Nos últimos anos, segundo a mídia, foi “descoberto” um gigantesco aqüífero que cobria
grandes áreas do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. Ele ocuparia uma área de 1.200.000 km2 do
MERCOSUL e era um mega-reservatório de água doce, o maior do mundo, que poderia abastecer a
humanidade por centenas e centenas de anos. Assim, ele atraiu a atenção de organismos
internacionais preocupados em “preservar” este recurso para o futuro. A ONU logo imaginou
transformá-lo em reserva estratégica, Patrimônio da Humanidade. O Banco Mundial acreditou na
maior reserva de água com fluxo transfronteiriço do mundo.
Mas, será que existe realmente o Aqüífero Guarani?
Os estudos realizados nos últimos anos têm demonstrado, inequivocamente, que ele não é “um”
aqüífero e que está compartimentado em vários blocos. Ele apresenta uma estrutura de camadas em
que se superpõem muitos aqüíferos com potencialidades muito diversas. Ao contrário do que se
imagina, suas águas não apresentam potabilidade em toda a sua área de ocorrência. O que se
considera Aqüífero Guarani possui muitas limitações, mostrando a necessidade de uma reavaliação
de sua potencialidade.

Palavras-chave


Sistema Aqüífero Guarani, transfronteiriço, mega-reservatório

Texto completo:

PDF


_____________________________________________________________________

A revista Águas Subterrâneas é uma publicação da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - ABAS - para divulgação de artigos científicos (originais e inéditos) sobre Hidrogeologia e outros temas pertinentes. Os artigos aceitos e finalizados são publicados em forma contínua e organizados sob a numeração de um Volume anual subdividido em vários Números com até 10 artigos cada um. 

A Revista Águas Subterrâneas é um periódico com classificação QUALIS Nacional e Internacional.

A Revista Águas Subterrâneas não cobra dos autores quaisquer taxas para submissão ou publicação. 


DISCLAIMER: Os Suplementos de Anais (congressos e encontros técnicos) aqui presentes são publicados na Revista Águas Subterrâneas exclusivamente por um ato de gentileza dos editores. De forma semelhante, os Estudos de Caso e Notas Técnicas são publicados com a intenção de prover um espaço para divulgação de dados e estudos de interesse local, sem obrigação de ter uma contribuiçao científica. Seus artigos NÃO PODEM e NÃO DEVEM ser considerados como publicações deste periódico. NÃO foram submetidos a revisão pelos avaliadores da revista. NÃO são contemplados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O objetivo é tão somente o de ampliar a divulgação destes anais, estudos de caso e notas técnicas. Além disso, nestes documentos não é necessária e não será apresentada a numeração sequencial de páginas, como é feito para os artigos científicos. Os anais de eventos devem ser citados como tal, sem referência a este periódico. A Revista Águas Subterrâneas não se responsabiliza pelo conteúdo publicado nessas seções. 

  

É de LIVRE acesso a todos os interessados, gratuitamente.
 

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, São Paulo, Brasil
eISSN 2179-9784 (eletrônico)
ISSN 0101-7004 (impresso)

Filiada:
 

Licença Creative Commons
Revista Águas Subterrâneas está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.


Todos aqueles que se cadastram na Revista Águas Subterrâneas tornam-se filiados da ABAS gratuitamente, podendo usufruir de descontos em eventos e material técnico. Por extensão, tornam-se também associados do Capítulo Brasileiro da Associação Internacional de Hidrogeólogos*, podendo também usufruir de descontos em eventos internacionais da IAH e outras ofertas. O acesso à revista é livre e independente do cadastramento

*Clique aqui para saber maiores detalhes e limitações dos filiados.