PROSPECÇÃO DE ESTRUTURAS SUBTERRÂNEAS PARA PROCESSOS DE RECARGA INDIRETA DO AQÜÍFERO CÁRSTICO COM ÁGUAS DO RIO CAPIVARI – COLOMBRO, PR

Ernani da Rosa Filho, Eduardo Chemas Hindi, Augustinho Rigoti, João Horácio Pereira, Marcos Justino Guarda

Resumo


A região da “Várzea do Capivari, no município de Colombo-PR, está inserida nas denominadas “células aqüíferas cársticas”, onde já existem 12 poços tubulares em operação cujo somatório das vazões é da ordem de 430 L/s. Embora a “problemática” da extração da água deste aqüífero, com alguns locais sofrendo problemas de ordem geotécnica e ambiental, este manancial é fundamental para o abastecimento de Colombo. As rochas que constituem o sistema cárstico são representadas por mármores calcíticos e dolomíticos, intercalados por filitos e quartzitos, segundo a direção geral NE-SW. Sob a forma de intrusões, ocorrem diques de diabásio com direções NW-SE. O mapeamento da área, cobrindo 77 km2, foi feito na escala 1:20.000, com o auxílio de imagens de Satélite Lansat (Quick Bird), na resolução 040 m. A aplicação de métodos elétricos (caminhamento e SEV), com queda da resistividade elétrica, em arranjo dipolo-dipolo, permitiu localizar zonas carstificas em profundidades de até 50 m, entre o rio Capivari e os pontos onde serão perfurados mais dois poços tubulares. A aplicação de cintilometria não identificou a presença de rochas graníticas em subsuperfície, sendo que a magnetometria identificou a presença de apenas um corpo de diabásio na área de estudo. As medições das descargas do rio Capivari, foram executadas a montante e a juzante da área onde serão perfurados os poços-testes; a diferença entre estes dois pontos foi de 1.191 m3/h, incluindo a descarga do afluente ribeirão das Onças, da ordem de 392, m3/h. Neste mesmo período, os três poços existentes na localidade, extraíram uma vazão de 302 m3/h. Desconsiderando a contribuição deste afluente, resta uma descarga igual a 799 m3/h e, como 70% da descarga coo- responde a vazão de base, restaria 240 m3/h que poderá ser extraída através dos poços a serem implantados na área de estudo. As águas do rio Capivari são classificadas como sendo de Classe I.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/ras.v22i1.17122

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


 
A RAS teve que passar por uma
reestruturação do seu banco de dados,
caso seu LOGIN e SENHA NÃO MAIS FUNCIONEM,
por favor, CADASTRE-SE NOVAMENTE.
Desculpe pelo transtorno.
_____________________________________________________________________

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, São Paulo, Brasil
e-ISSN 2179-9784 (eletrônico)

É de LIVRE acesso a todos os interessados, gratuitamente.

 

A revista Águas Subterrâneas é uma publicação da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - ABAS - para divulgação de artigos científicos (originais e inéditos) sobre Hidrogeologia e outros temas pertinentes.

Os artigos aceitos e finalizados são publicados de forma contínua  organizados sob a numeração de um Volume anual subdividido em vários Números com até 10 artigos cada um.
 
A Revista Águas Subterrâneas é um periódico com classificação QUALIS Nacional e Internacional.
 
A Revista Águas Subterrâneas não cobra dos autores quaisquer taxas para submissão ou publicação.

DISCLAIMER: Os Suplementos de Anais (congressos e encontros técnicos) aqui presentes são publicados na Revista Águas Subterrâneas exclusivamente por um ato de gentileza dos editores. De forma semelhante, os Estudos de Caso e Notas Técnicas são publicados com a intenção de prover um espaço para divulgação de dados e estudos de interesse local, sem obrigação de ter uma contribuiçao científica. Seus artigos NÃO PODEM e NÃO DEVEM ser considerados como publicações deste periódico. NÃO foram submetidos a revisão pelos avaliadores da revista. NÃO são contemplados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O objetivo é tão somente o de ampliar a divulgação destes anais, estudos de caso e notas técnicas. Além disso, nestes documentos não é necessária e não será apresentada a numeração sequencial de páginas, como é feito para os artigos científicos. Os anais de eventos devem ser citados como tal, sem referência a este periódico. A Revista Águas Subterrâneas não se responsabiliza pelo conteúdo publicado nessas seções. 

Todos aqueles que se cadastram na Revista Águas Subterrâneas tornam-se filiados da ABAS gratuitamente, podendo usufruir de descontos em eventos e material técnico. Por extensão, tornam-se também associados do Capítulo Brasileiro da Associação Internacional de Hidrogeólogos*, podendo também usufruir de descontos em eventos internacionais da IAH e outras ofertas. O acesso à revista é livre e independente do cadastramento

*Clique aqui para saber maiores detalhes e limitações dos filiados.

Métricas

       

A Revista Águas Subterrâneas é filiada às seguintes Bases de Dados/Portais: 




 
Licença Creative Commons

Revista Águas Subterrâneas está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.