COMPARTIMENTAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DA FORMAÇÃO CAPIRU NA REGIÃO NORTE DE CURITIBA-PR, BRASIL

Ernani da Rosa Filho, Marcos Justino Guarda

Resumo


O número de habitantes da Região Metropolitana de Curitiba (RMC) aumentou tanto nas últimas décadas sem que tenha havido uma oferta d ́água suficiente para atender a demanda total da população. Já existe um deficit e este tende a aumentar no decorrer dos próximos anos. Uma das formas de minimizar este problema, num espaço de tempo relativamente curto e com baixos investimentos, é através da perfuração de poços tubulares nas rochas carstificadas da Formação Capiru, numa faixa de direção NW-SW que está localizada ao norte da cidade de Curitiba. Esta formação geológica na qual está inser- ida o Aqüífero cárstico de Curitiba, é composta por metadolomitos (carstificados), por filitos e quartzitos e, secundariamente, por filitos grafitosos, metassiltitos e metamargas. Estas rochas são cortadas por um conjunto de diques básicos, principalmente constituídos por diabásios, os quais são derivados das atividades tectono-magmáticas registradas no Mesozóico e cujas espessuras variam de metros a quilômetros (ver Fig. 1). A energia potencial do relevo é caracterizada por um desnível médio de 80 m, atingindo um máximo 200 m, nas proximidades dos vales mais entalhados. O contexto morfoestrutural revela uma compar- timentação onde se verificam massas carbonáticas (rochas carbonáticas calcíticas e dolomíticas) com excelentes condições de porosidade e permeabilidade, limitadas por fronteiras praticamente impermeáveis (cristas de filitos e quartzitos entrecortadas por diques de diabásio), com padrão geométrico tipicamente losangular. A dissolução físico-química ocorre preferencialmente no contato das rochas carbonáticas com os solos que o recobrem e, dentro do maciço rochoso, através de suas fraturas. A extração da água por meio de bombeamento de poços, principalmente quando concentrados numa área restrita, favorece os fenômenos de subsidência do terreno. Neste trabalho estão delimitados os seguintes Sub-compartimentos hidrogeológicos, a saber: Colombo, Almirante Tamandaré, Várzea do Capivari e Cabeceira. No Sub-compartimento Colombo foram cadastradas 14 surgências naturais e existem 14 poços tubulares, cuja vazão média corresponde a 100 m3/h e as alturas potenciométricas variam entre 927 e 990 m de altitude. O volume armazenado em sub-superfície na área do Rio Capivari e do Rio Tumiri é de aproximadamente 14,92 x 106 m3/km3 e de 14,92 x 106 m3/km2 , respectivamente. No perímetro urbano de Colombo é extraído atualmente em torno de 655 m3/h. No Sub-compartimento Almirante Tamandaré, existem 12 poços tubulares com uma vazão média igual a 180 m3/h, sendo que as entradas d ́água produtoras distribuem-se entre 40 e 148 m de profundidade e as cotas po- tenciométricas distribuem-se entre 938 e 940 m de altitude. Existem apenas três nascentes cadastradas neste sub-compartimen- to. Na sede municipal, são operados atualmente quatro poços a uma vazão total de 430 m3/h. No Sub-compartimento Várzea do Capivari, existem seis unidades hidrogeológicas menores, limitadas por cinco diques de diabásio. Os poços, em número de dois, apresentam vazões de até 120 m3/h, as entradas d ́água estão mais próximas da superfície e a cota potenciométrica mais elevada está restrita a 890 m de altitude. No Sub-compartimento Cabeceira estão cadastrados cinco poços tubulares, os quais se distribuem em três unidades morfoestruturais distintas, delimitados por nove diques de diabásio. Existe um poço improdu- tivo (seco) e o poço de maior vazão produz 204 m3/h, sendo que a cota potenciométrica mais elevada está situada a 1031 m de altitude. Em termos de conclusão, pressupõe-se que as águas excedentes (nos períodos mais chuvosos) podem ser injetadas no subsolo como forma de recarga artificial; a área a ser escolhida para esta finalidade deverá levar em conta aspectos como qualidade e quantidade da água da fonte de recarga, a distância entre a fonte e o ponto de recarga, a infra-estrutura existente, os condicionantes ambientais, o uso e a ocupação do solo e os aspectos legais, especialmente relativos ao uso do solo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/ras.v22i1.17024

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


 
_____________________________________________________________________

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, São Paulo, Brasil
e-ISSN 2179-9784 (eletrônico)

É de LIVRE acesso a todos os interessados, gratuitamente.

 

A revista Águas Subterrâneas é uma publicação da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - ABAS - para divulgação de artigos científicos (originais e inéditos) sobre Hidrogeologia e outros temas pertinentes.

Os artigos aceitos e finalizados são publicados de forma contínua  organizados sob a numeração de um Volume anual subdividido em vários Números com até 10 artigos cada um.
 
A Revista Águas Subterrâneas é um periódico com classificação QUALIS Nacional e Internacional.
 
A Revista Águas Subterrâneas não cobra dos autores quaisquer taxas para submissão ou publicação.

DISCLAIMER: Os Suplementos de Anais (congressos e encontros técnicos) aqui presentes são publicados na Revista Águas Subterrâneas exclusivamente por um ato de gentileza dos editores. De forma semelhante, os Estudos de Caso e Notas Técnicas são publicados com a intenção de prover um espaço para divulgação de dados e estudos de interesse local, sem obrigação de ter uma contribuiçao científica. Seus artigos NÃO PODEM e NÃO DEVEM ser considerados como publicações deste periódico. NÃO foram submetidos a revisão pelos avaliadores da revista. NÃO são contemplados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O objetivo é tão somente o de ampliar a divulgação destes anais, estudos de caso e notas técnicas. Além disso, nestes documentos não é necessária e não será apresentada a numeração sequencial de páginas, como é feito para os artigos científicos. Os anais de eventos devem ser citados como tal, sem referência a este periódico. A Revista Águas Subterrâneas não se responsabiliza pelo conteúdo publicado nessas seções. 

Todos aqueles que se cadastram na Revista Águas Subterrâneas tornam-se filiados da ABAS gratuitamente, podendo usufruir de descontos em eventos e material técnico. Por extensão, tornam-se também associados do Capítulo Brasileiro da Associação Internacional de Hidrogeólogos*, podendo também usufruir de descontos em eventos internacionais da IAH e outras ofertas. O acesso à revista é livre e independente do cadastramento

*Clique aqui para saber maiores detalhes e limitações dos filiados.

Métricas

       

A Revista Águas Subterrâneas é filiada às seguintes Bases de Dados/Portais: 




 
Licença Creative Commons

Revista Águas Subterrâneas está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.