ZONAS (EIXOS) CONDUTIVAS EM ROCHAS CRISTALINAS NA REGIÃO DE IRAUÇUBA, NORTE DO ESTADO DO CEARÁ, BRASIL

José Alberto Ribeiro, Fernando A C Feitosa, José Farias de Oliveira, Oderson Antonio de Souza Filho, Edilton Carneiro Feitosa

Resumo


No Projeto Otimização de Metodologias de Prospecção de Água Subterrânea em Rochas Cristalinas, em desenvolvimento pelo Serviço Geológico do Brasil CPRM, na porção norte do estado do Ceará, foram realizados levantamentos de geofísica terrestre (eletrorresistividade) e de aerogeofísica. Na interpretação dos caminhamentos elétricos, Ribeiro et al. (2001) identificaram um comportamento distinto entre os caminhamentos realizados na direção W-E e os realizados na direção N-S. Nos caminhamentos na direção W-E o comportamento elétrico configura uma acentuada alternância de zonas de maior e menor resistividades, enquanto que nos caminhamentos de direção N-S essa alternância não é tão evidente. Muitas vezes, como no caso da localidade Carnaubinha, o caminhamento N-S caracterizou um comportamento homogêneo condutivo ao longo dessa direção, sugerindo que essas zonas estão orientadas predominantemente na direção N-S. Em levantamento aerogeofísico realizado pela LASA (2001) em uma porção da área do Projeto, o mapa de condutividade aparente na freqüência de 4.500 Hz mostrou a existência de vários eixos condutivos na direção evidenciada pelo método elétrico terrestre utilizado. Entretanto, feições lineares na direção N-S não são comumente destacadas nas imagens de sensores remotos da área.

ABSTRACT

Ground geophysics (eletroresistivity) and airborne geophysics were executed at the north portion of the state of Ceará, Brazil being part of the institutional project of CPRM Geological Survey of Brazil Optimization of Methodologies of Groundwater Research in Cristalline Terrains. In the interpretation of the ground survey, Ribeiro et ali (2001) identified a distinct behaviour waking along lines of W-E and N-S direction. Along lines of W-E direction, apparent resistivity values show pronounced alternate zones (axes) of higher and lower resistivity, while along N-S lines, that zone alternation is not so evident. In many sites, as the locality of Carnaubinha, the N-S survey characterized a conductive behaviour along that direction suggesting that those zones are predominantly oriented N-S. The airborne survey carried out by LASA (2001) in part of the pilot-area, produced an apparent conductivity map at 4.500 Hz frequency which showed the existence of several conductivity axes in the same direction pointed out by the ground electric method. However, N-S lines features are not commonly enhanced in remote sensing images for the area.


Palavras-chave


Geofísica; eletrorresistividade; água subterrânea.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/ras.v17i1.1316

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


 
_____________________________________________________________________

ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, São Paulo, Brasil
e-ISSN 2179-9784 (eletrônico)

É de LIVRE acesso a todos os interessados, gratuitamente.

 

A revista Águas Subterrâneas é uma publicação da Associação Brasileira de Águas Subterrâneas - ABAS - para divulgação de artigos científicos (originais e inéditos) sobre Hidrogeologia e outros temas pertinentes.

Os artigos aceitos e finalizados são publicados de forma contínua  organizados sob a numeração de um Volume anual subdividido em vários Números com até 10 artigos cada um.
 
A Revista Águas Subterrâneas é um periódico com classificação QUALIS Nacional e Internacional.
 
A Revista Águas Subterrâneas não cobra dos autores quaisquer taxas para submissão ou publicação.

DISCLAIMER: Os Suplementos de Anais (congressos e encontros técnicos) aqui presentes são publicados na Revista Águas Subterrâneas exclusivamente por um ato de gentileza dos editores. De forma semelhante, os Estudos de Caso e Notas Técnicas são publicados com a intenção de prover um espaço para divulgação de dados e estudos de interesse local, sem obrigação de ter uma contribuiçao científica. Seus artigos NÃO PODEM e NÃO DEVEM ser considerados como publicações deste periódico. NÃO foram submetidos a revisão pelos avaliadores da revista. NÃO são contemplados na avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O objetivo é tão somente o de ampliar a divulgação destes anais, estudos de caso e notas técnicas. Além disso, nestes documentos não é necessária e não será apresentada a numeração sequencial de páginas, como é feito para os artigos científicos. Os anais de eventos devem ser citados como tal, sem referência a este periódico. A Revista Águas Subterrâneas não se responsabiliza pelo conteúdo publicado nessas seções. 

Todos aqueles que se cadastram na Revista Águas Subterrâneas tornam-se filiados da ABAS gratuitamente, podendo usufruir de descontos em eventos e material técnico. Por extensão, tornam-se também associados do Capítulo Brasileiro da Associação Internacional de Hidrogeólogos*, podendo também usufruir de descontos em eventos internacionais da IAH e outras ofertas. O acesso à revista é livre e independente do cadastramento

*Clique aqui para saber maiores detalhes e limitações dos filiados.

Métricas

       

A Revista Águas Subterrâneas é filiada às seguintes Bases de Dados/Portais: 




 
Licença Creative Commons

Revista Águas Subterrâneas está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.